Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2008

Esperar

Espero que um dia o mundo
vire festa, avesso, dia iluminado.

Espero que o fim
vire começo.

Espero que a esperança não morra
nem na primeira, nem na última vez.

Espero um beijo
sempre que posso.

Espero calma
um relógio sem ponteiro.

Espero a palavra
relampejo.

Espero você
dispenso despedidas.

Que o tempo
espere por mim.

Aceito

Teu vinho

Teu riso

partidas

chegadas

tudo

nada

amarelo

branco

dor de cabeça

água

suco

amigos

tênis

sandalhas

jeans

óculos

os brincos perdidos

os sonhos partidos

não

sim

bom humor

músicas

filmes

des

culpas

despedidas

e aceito

a mim.

Céu Escondido

Papel

Rabiscar
desenhar
é seda, é cinza.
hora e outrora [árvore]
é bola, no cesto a jogar.
Refazer, Refazer, reciclar.
é palavras [carta] .
impresso, datilografado
timbrado, autenticado [é verso]
perdido
rasgado
atraido
por uma tinteira.
sem tampa.
Eu quero um novo tango
Uma nova valsa
Curta ou comprida.
Agarrar a vida
Na saia.
Viver sem saía.
Seguir passos descalços
Até o fim da linha.
Até que ela se apague
E trace outra linha.
E assim continuarei seguindo em frente
descalça.
E assim a noite se espalha
escorre dia adentro
perseguida pelo ponteiro dourado das horas.
É noite e meu corpo ainda,
carrega dia,
respira dia.
inflama destroços do dia.
congela qualquer outro desejo de noite,
a noite varrida fez nascer o dia.

Pés

Olhando a foto do meu perfil , lembro do filme "Encontros e Desencontros'', onde a Charlotte, diz que já tentou fotografar, mas como a maioria dos inciantes, as suas fotos eram dos pés, ou de alguma parte do seu corpo.
Quando assisti pela segunda, ou terceira vez o filme, lembrei da minha foto, exatamente dos meus pés.
O que eles são? Talvez como é dito no filme, coisas de iniciante, mas talvez o indicador, ou a largada de um longo caminho, que começa por algo preso a nós.

Centro

Submerso.

Sinto cheiro de pó.

Tinta fresca.

Suor.

a palavra [a beira].

Me aponta

uma ponte adiante [um ponto].

Para atravessar

o mal de estar-se só.

Para corromper

o bem de estar-se melhor.

Em ruas que se encerram

vou.

Cair porão adentro,

Ao som de tambores errantes.

A cruzar versos.

Me atiro,

Me perco

Me foco

Sufoco.

Me encontre

onde achar melhor.

Um céu dividido